Irmãos e irmãs,


Por ocasião dos 150 anos da declaração de São José como patrono da Igreja Católica no mundo inteiro, o Santo Padre, o Papa Francisco, pela Carta Apostólica “Patris Corde” (Com um coração de pai) de 8 de dezembro de 2020, instituiu um ano dedicado a aprofundar e desenvolver o conhecimento e a devoção a São José, a fim de fortalecer a nossa devoção e renovar de nossa vida cristã, espelhando-nos na figura extraordinária de São José. Em comunhão com o Sumo Pontífice, acolhemos e instituímos o Ano Jubilar de São José em nossa Arquidiocese conforme o Decreto 0072/2021 de nossa Cúria Metropolitana, datado de 19 de março de 2021, cujo início fora na mesma data de promulgação do Decreto, no dia 19 de março do corrente ano.

Propusemos e oferecemos aos fiéis de nossa Arquidiocese um subsídio para melhor viver o Ano de São José, seja nas novenas dos padroeiros e titulares, nos outros encontros e celebrações comunitárias, seja na devoção pessoal.

Trabalhamos de forma intensa e vibrante para que este ano de São José fosse vivido com fervor, oportunizando aos nossos diocesanos a graça do convívio com o homem justo da Bíblia: José. O ano de São José nos permitiu viver um período de graça, mesmo estando sofrendo os grandes desafios da COVID 19: mais de 600 mil mortes, a fome, o medo, a ansiedade, a depressão, a desorientação política e econômica, etc.

As palavras da Patris Corde soavam como um bálsamo: “pai amoroso”, “pai terno”, “pai obediente”, “pai acolhedor”, “pai corajoso e criativo”, “pai trabalhador” e “pai discreto e prestativo”. Nossa Arquidiocese articulou e vivenciou o ano de São José, realizando, sobretudo, os seguintes momentos:

1. A coordenação de pastoral em várias reuniões organizou uma programação variada e intensa de oração, meditação e práticas oriundas da vida e testemunho de são José;

2. Realizamos uma peregrinação com o ícone de São José nas paróquias da Arquidiocese, fazendo, assim, um chamamento/despertar para bem celebrar este ano jubilar. Assim, foi confeccionado o ícone de são José bem característico, partindo de intuições bíblicas, históricas, contextuais e sociais.

3. Para bem celebrar e articular as iniciativas do ano, a coordenação de pastoral confeccionou o livro de São José — um devocionário. Este livro, lançado e abençoado pelo Arcebispo, foi enviado para todas as paróquias, pastorais e movimentos da Arquidiocese.

4. Durante todo ano, no dia 19, de dois em dois meses, foram realizadas lives” sobre são José;

5. Realizamos um Simpósio sobre a Doutrina Social da Igreja, enfatizando São José como o padroeiro do trabalhador — no dia do trabalho (01 de maio);

6. A peregrinação do ícone de São José pelas paróquias constituiu um momento ímpar de oração, celebração e formação sobre este grande homem de Deus;

Inúmeros foram os momentos de espiritualidade, formação e propagação da devoção ao Patrono da Igreja. As diversas manifestações de fé e devoção do Povo Santo de Deus no decorrer deste tempo evidenciaram a profundidade, o empenho e o compromisso de fazer deste Ano Jubilar um tempo de Graça e de aprofundamento da fé nos quatro cantos de nossa amada Arquidiocese. Permanecem para nós, como formas de Piedade e Devoção, o Terço e a Ladainha de São José, as missas votivas às quartas-feiras e o dia 19 de cada mês. Essas práticas permitem que continuemos a conhecer a grandeza da figura de José, aproximando-nos ainda tilais de Jesus, seu Filho Adotivo.

Assim sendo, sob as auspiciosas bênçãos de São José e da Imaculada Conceção, declaramos encerrado o Ano Jubilar de São José em nossa Arquidiocese. Contudo, as manifestações de e devoção a São José deverão permanecer. O Ano da Família continua até 26 de junho do ano que vem e não tem como falar de família sem fazer memória da Sagrada Famaia de Nazaré, da pessoa de José, Pai Justo e Protetor. Também é verdade que nos campos e cidades de nossa Arquidiocese a figura de São José já é bem conhecida. Os agricultores, lavradores elevam suas orações e preces pedindo ao Glorioso São José que lhes conceda um bom ano de chuva para que as lavouras produzam. Os bons frutos deste Ano Jubilar hão de perdurar por muito tempo, ainda, em nossa Igreja Arquidiocesana e continuaremos a pedir a intercessão desse glorioso santo, modelo e exemplo de fé. São José, Rogai por Nós!