Circular 001/2021

Aos Padres, Diáconos, Fiéis da Arquidiocese de Vitória da Conquista.

A transferência de um Padre para outro serviço eclesial é sempre um momento de grande expectativa para todos. Muitos ficam apreensivos para conhecer o novo pastor, ao passo que vários também se entristecem com a despedida daquele que tanto se dedicou ao ofício que exercia. Em geral é um momento de grande emoção para todos. Sabemos que, em momentos como esses, costumamos expressar nossa gratidão, a quem parte, e acolhimento, a quem chega.


Todavia, conscientes que ainda estamos atravessando a Pandemia da Covid-19, mesmo que em muitas instâncias da sociedade não se leve a sério as recomendações das Autoridades Sanitárias, e, sendo a Igreja mãe e mestra, é nosso dever resguardar a vida e a dignidade de todas as pessoas, especialmente dos nossos fiéis.


Sabemos do carinho que os fiéis têm pelos seus pastores e como, em nossa cultura, a expressividade e manifestações de agradecimento se concretizam de diversas formas. Cientes de toda essa realidade, e também orientados pela necessária precaução que devemos ter no combate a difusão do novo coronavírus, apresentamos as orientações que devem ser religiosamente seguidas, pelas comunidades paroquiais para acolher e se despedir de seus pastores:

  1. Mesmo as Paróquias que têm a prática de acolher os fiéis por ordem de chegada para as celebrações; no dia da Apresentação do novo Pároco/Administrador Paroquial seja feito o AGENDAMENTO PARA PARTICIPAÇÃO DOS FIÉIS, evitando qualquer forma de aglomeração. Para que isso seja seguido com todo o rigor necessário, procure-se com exatidão conhecer a capacidade que a igreja comporta; evite-se, então, multiplicar lugares nos arredores, sem considerar os distanciamentos de segurança;
  2. Para o AGENDAMENTO deve-se levar em consideração os seguintes CRITÉRIOS:
    a. Representações das Comunidades;
    b. Coordenadores das Pastorais, Movimentos e Organismos;
    c. Uma porcentagem para os possíveis visitantes que virão com o novo Pároco/Administrador Paroquial (família, fiéis da outra Paróquia). Para que este último ponto esteja bem claro, a Paróquia deverá informar ao padre quantas pessoas é possível acolher;
  3. Os INSTRUMENTOS que o novo Pároco/Administrador Paroquial irá receber durante a celebração, deverão ser HIGIENIZADOS COM ANTECEDÊNCIA, de preferência fiquem numa bandeja. A pessoa designada para levar o objeto deverá estar sentada desde o início da celebração nos primeiros bancos, no momento oportuno, levantará e levará o instrumento ao Arcebispo, e este entregará ao Padre. A pessoa retorna para o seu lugar pelo caminho mais breve. Cuide-se que um coroinha ou outra pessoa, receba o instrumento da mão do Padre e o guarde na sacristia;
  4. A celebração seguirá o ROTEIRO preparado, especialmente, para este tempo de pandemia;
  5. Para a DIVULGAÇÃO/CONVITE comumente se utiliza a expressão “Tomada de Posse” ou “Posse Canônica” para falar da celebração em que o novo Pároco/Administrador Paroquial iniciará seu ministério à frente da Paróquia. Consideramos por bem, utilizar as expressões: “Início do Ministério Pastoral” ou “Apresentação” do Pároco/Administrador Paroquial, que melhor expressam a eclesiologia de comunhão;
  6. DESACONSELHA-SE MANIFESTAÇÕES OU CARREATAS, onde possam aglomerar pessoas, para expressar o acolhimento ou conduzir o padre para a nova missão;
  7. Caso a Paróquia ofereça um JANTAR ou LANCHE, procure servi-lo num ambiente arejado e que possa manter o distanciamento de segurança e seguir todos os indispensáveis critérios de higienização. Recomenda-se vivamente, que esses momentos, caso aconteçam, sejam com um número restrito de pessoas;

Dada em nossa Cúria Metropolitana de Vitória da Conquista, aos 25 dias do mês de janeiro do ano do Senhor de 2021, Festa da Conversão de São Paulo, Apóstolo.

Dom Josafá Menezes da Silva
Arcebispo Metropolitano de Vitória da Conquista

Pe. Técio Andrade Lima
Chanceler do Arcebispado